Aos mil dias de governo, 2 a cada 3 declarações falsas de Bolsonaro são repetidas

A alegação mais repetida por Bolsonaro, com 121 registros, é a de que não há casos de corrupção ou desvios na sua gestão

Por Amanda Ribeiro (site Aos fatos)

O presidente Jair Bolsonaro costuma dizer que a esquerda nunca aprende com os erros, mas dados indicam que ele também não. Após mil dias no Palácio do Planalto, 2 a cada 3 alegações enganosas do mandatário são repetidas, segundo o contador de checagens do Aos Fatos. Das 3.989 falsidades e distorções ditas desde a posse, 2.496 (62,5%) foram reprisadas. Cinco afirmações são responsáveis por 10,4% do total de falas recorrentes (repetidas 415 vezes) e abordam aspectos da pandemia e da conduta ética do governo.

A alegação mais repetida por Bolsonaro, com 121 registros, é a de que não há casos de corrupção ou desvios na sua gestão. Atuais e ex-integrantes do governo, como Ciro Nogueira (Casa Civil), Ricardo Salles (Meio Ambiente), Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) e Fabio Wajngarten (Secretaria de Comunicação), são investigados ou respondem a processos na Justiça. Além disso, a CPI da Covid-19 apura um suposto esquema para a compra superfaturada da vacina Covaxin e irregularidades na aquisição de imunizantes.

As repetições de Bolsonaro

Veja as declarações enganosas mais frequentes no discurso presidencial

Declaração – Número de repetições

Estamos há dois anos e oito meses sem qualquer caso concreto de corrupção – 121

(…) o STF falou que essa política [de isolamento] não era minha. Era dos governadores e prefeitos – 99

Sempre defendi combater o vírus e o desemprego de forma simultânea e com a mesma responsabilidade – 78

Eu tomei hidroxicloroquina, no dia seguinte estava bom – 70

O Brasil é um dos quatro países que mais vacinam no mundo – 52

Não se gastou, não se recebeu uma ampola da Covaxin, não se pagou um real pra Covaxin – 46

Nós criamos um ministério técnico – 45

O lockdown não tem comprovação científica – 44

Então a hidroxicloroquina [contra a Covid-19] é uma realidade – 39

Nós terminamos 2020 com mais empregados do que 2019 – 39

Amplamente desmentida, a segunda afirmação mais recorrente (99 repetições) é a de que o STF (Supremo Tribunal Federal) impediu o governo federal de agir contra a pandemia, tendo delegado essa função a governadores e prefeitos. O que foi decidido, no entanto, é que todas as esferas do Poder Executivo deveriam trabalhar em conjunto e que não cabia ao governo federal revogar medidas de isolamento decretadas por estados e municípios.

Bolsonaro repetiu ainda 78 vezes que sempre se preocupou com o novo coronavírus e com a economia na mesma proporção, o que é desmentido pelo fato de ter se posicionado contrariamente à vacinação e às medidas de isolamento em momentos críticos da pandemia no Brasil. Em 70 ocasiões, ele também afirmou que se curou da Covid-19 com o “tratamento precoce”, conjunto de drogas ineficazes contra a doença; e em outras 52 vezes disse que somos um dos países que mais vacina no mundo, o que é impreciso, já que ocupamos a 34ª posição em números proporcionais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *